MEDIA CENTER

Autoridade Marítima alerta para regras de segurança na época balnear

11 JUN 2016 13:06

A Autoridade Marítima Nacional (AMN) alerta todos os banhistas para que adotem uma postura de cumprimento das regras de segurança balnear, nomeadamente: frequentar praias vigiadas; não tomar banho em zonas de enrocamento e pontões; garantir um intervalo de três horas, após uma refeição normal, antes de ir a banhos; e respeitar escrupulosamente as indicações dos nadadores-salvadores. Estas regras são essenciais para que a época balnear decorra em segurança.

​Para que haja uma ampliação da cultura de segurança, convidam-se todos os banhistas a visitarem a página da AMN, e a participarem nas campanhas de sensibilização que o Instituto de Socorros a Náufragos (ISN) está a desenvolver durante a época balnear em diversas praias do país.

Fruto da adaptação aos regulamentos comunitários, em 2014 e 2015 foi legislado, entre outros aspetos, no sentido de profissionalizar a atividade dos Nadadores Salvadores e de a estender a piscinas de uso público. Estas alterações tiveram um impacto significativo nas relações entre Nadadores-salvadores e os Concessionários, que se refletem, pela primeira vez, nesta época balnear. Para ultrapassar as atuais dificuldades, a AMN propôs ao Governo alterações à Portaria n.º 311/2015 de 28 de setembro, visando uma melhor eficácia no sistema de assistência balnear, adaptando-a às reais necessidades do país.

Paralelamente, as Capitanias dos Portos de todo o país estão disponíveis para, em caso dificuldade por parte dos concessionários de praias em garantir a presença de nadadores-salvadores certificados na sua concessão, auxiliarem nessa procura, a partir da base de dados do ISN sobre nadadores-salvadores certificados. Para o efeito, basta que os concessionários de praias se dirijam às repartições marítimas da respetiva área de jurisdição, solicitando que as suas necessidades de nadadores-salvadores sejam difundidas junto da comunidade registada e certificada. Esta medida visa contribuir para que, tanto os concessionários garantam a assistência a banhistas na sua área, como os nadadores-salvadores ainda disponíveis, tenham uma praia para desempenhar funções durante o verão.