Polícia Marítima

Comandante-geral

Vice-almirante António Manuel de Carvalho Coelho Cândido

​​Comandante-g​eral da Polícia Marítima​

Vice-almirante António Manuel de Carvalho Coelho Cândido

O vice-almirante António Manuel de Carvalho Coelho Cândido nasceu a 8 de maio de 1961, e concluiu a licenciatura em Ciências Militares Navais, Curso de Marinha, na Escola Naval, no ano de 1984, tendo sido promovido ao atual posto em 6 de dezembro de 2018.

Após a promoção a Guarda-marinha desempenhou, durante dois anos, funções de oficial imediato no navio patrulha “Cuanza”.

Depois de ter concluído a especialização em Eletrotecnia, prestou serviço a bordo da fragata “Roberto Ivens”, como Chefe de Serviço de Armas e Eletrónica, entre 1987 e 1988.

Entre 1989 e 1990 frequentou, nos EUA, cursos dos sistemas de armas das fragatas classe “Vasco da Gama”, tendo prestado serviço nas fragatas “Álvares Cabral” (1991/1994), como Chefe de Serviço de Armas, e “Vasco da Gama” (1996/1998), como Chefe de Departamento de Armas e Eletrónica. Nestes navios participou no “Operational Sea Training”, no Reino Unido, em 1992 e 1996, na Força Naval Permanente no Atlântico (STANAVFORLANT), em 1993 e 1997, e na missão na República da Guiné-Bissau, em 1998, para além de outras participações em exercícios NATO e nacionais.

De 1999 a 2001 comandou a corveta “João Roby”, tendo neste período efetuado, entre outras, duas comissões de 4 meses na Zona Marítima dos Açores, em 2000 e 2001, e uma missão de fiscalização no Atlântico Norte no âmbito da “North East Atlantic Fisheries Commission”.

Em terra foi Chefe do Serviço de Armas e Eletrónica da Esquadrilha de Escoltas Oceânicos (1994/1996) e Chefe das Divisões de Sistemas de Deteção e Navegação (1999) e de Sistemas de Comunicações, Comando e Controlo (2001/2004) da Direção de Navios.

Em dezembro de 2003 foi nomeado Adjunto do Capitão do Porto de Lisboa, cargo que ocupou até março de 2006. Nestas funções acompanhou a implementação dos planos de segurança dos terminais portuários do Porto de Lisboa, no âmbito dos novos requisitos de segurança estabelecidos pela convenção SOLAS, e participou no planeamento do exercício contra a proliferação de armas de destruição em massa (NINFA 2005), que culminou no Porto de Lisboa em abril de 2005.

De maio de 2006 a outubro de 2009, desempenhou as funções de Comandante da Zona Marítima da Madeira, Chefe do Departamento Marítimo da Madeira, Capitão do Porto do Funchal, Capitão do Porto de Porto Santo e Comandante Regional da Polícia Marítima da Madeira.

Em outubro de 2011, assumiu as funções de Chefe do Departamento Marítimo do Centro, Capitão do Porto de Lisboa e Comandante Regional e Local da Polícia Marítima, cargos que desempenhou até ser nomeado Comandante da Zona Marítima dos Açores e Chefe do Departamento Marítimo dos Açores, cargo que exerceu de julho de 2014 a outubro de 2015.

De novembro de 2015 a julho de 2018 exerceu as funções de Diretor-geral do Instituto Hidrográfico e de julho 2018 a março de 2021 exerceu as funções Superintendente do Material.

Em 8 de março de 2021 assumiu as atuais funções de Diretor-geral da Autoridade Marítima e Comandante-geral da Polícia Marítima.

Possui, entre outros, os Cursos Geral e Complementar Naval de Guerra, o Curso de Tática e Operações Navais, o Curso de Planeamento Civil de Emergência e o Curso de Defesa Nacional.

Da sua folha de serviço constam diversos louvores e condecorações.

É casado e tem um filho.