MEDIA CENTER

Hasteada bandeira amarela na praia de S. Martinho do Porto na manhã de hoje

30 AGO 2019 10:08

O Capitão do Porto da Nazaré determinou, no dia 27 de agosto, a proibição de banhos na praia de São Martinho do Porto, no concelho de Alcobaça, após o relato de um incidente com um banhista que sofreu queimaduras numa mão, provocadas por uma caravela-portuguesa, tendo sido hasteada a bandeira vermelha.

​No dia 28 de agosto, por precaução, e como não é habitual a presença desta espécie nas águas de São Martinho do Porto, a bandeira vermelha continuou içada, tendo a Polícia Marítima da Nazaré, em conjunto com os tripulantes da Estação Salva-vidas da Nazaré e os nadadores-salvadores em serviço, montando um dispositivo no mar, com três embarcações, e em terra, com duas viaturas todo-o-terreno e pessoal apeado que, durante o dia,  atuou de modo a evitar que outros banhistas sofressem lesões.

Até ao final do dia 28, nomeadamente no período de enchente da maré, foram detetados e recolhidos sete espécimes.

Na manhã de hoje foram efetuadas buscas, tanto por terra como por mar, não sendo detetados quaisquer exemplares de caravela-portuguesa, tendo, por decisão do Capitão do Porto, e por prevenção, às 10h00 horas sido hasteada a bandeira amarela e indicado um reforço de atenção, por parte dos nadadores-salvadores para, em caso de algum avistamento, reportarem  imediatamente.

Autoridade Marítima Nacional alerta para, em caso de ser avistada a caravela-portuguesa, evitar o contacto com este organismo. No caso de haver contacto os banhistas deverão ter em conta alguns procedimentos, nomeadamente:

- Não esfregar ou coçar a zona atingida para não espalhar o veneno;

- Não usar água doce, álcool ou amónia;

- Não colocar ligaduras;

- Lavar com cuidado com soro fisiológico;

- Retirar com cuidado os tentáculos (caso tenham ficados agarrados à pele) utilizando luvas, uma pinça de plástico e soro fisiológico;

- Aplicar uma camada fina de pomada própria para queimaduras, quando em contacto com as águas vivas;

- Consultar assistência médica o mais rapidamente possível.

Os sintomas da picada da caravela-portuguesa são dor forte e sensação de queimadura (calor/ardor) no local e ainda irritação, vermelhidão, inchaço e comichão. Algumas pessoas, especialmente sensíveis às picadas e venenos das caravelas portuguesas, podem ter reações alérgicas graves, como falta de ar, palpitações, cãibras, náuseas, vómitos, febre, desmaios, convulsões, arritmias cardíacas e problemas respiratórios. Nestes casos devem ser encaminhadas, de imediato, para o serviço de urgência.

A caravela-portuguesa tem o nome científico de "Physalia physalis" e vive na superfície do mar graças ao seu flutuador cilíndrico, azul-arroxeado, cheio de gás. Os seus tentáculos podem atingir 30 metros e o seu veneno é muito perigoso.