MEDIA CENTER

Polícia Marítima resgata mais de 1800 emigrantes e refugiados em três meses de missão na Grécia

3 JAN 2016 17:01

A Polícia Marítima (PM) que integra, desde dia 1 de outubro de 2015, a Operação Conjunta POSEIDON SEA 2015, no mar Egeu, resgatou 1810 emigrantes e refugiados, prestou apoio de primeiros socorros a quinze pessoas e fez quatro detenções de facilitadores nos primeiros três meses de missão, na Grécia.

De 01 de outubro a 31 de dezembro de 2015, os resultados são os seguintes:

- Missões de busca e salvamento – 51

- Pessoas resgatadas – 1810

- Pessoas resgatadas das quais bebés e crianças – 409

- Apoio de primeiros-socorros – 15

- Pessoas recuperadas sem vida – 4

- Facilitadores detidos – 4

- Horas de navegação – 552

- Milhas náuticas efetuadas – 2850

Dos 1810 emigrantes e refugiados resgatados pela equipa da PM, 409 eram bebés e crianças e 381 eram mulheres.

A equipa da PM prestou apoio de primeiros socorros a quinze emigrantes e refugiados, tendo-lhes administrado oxigénio e, em três dos casos, aplicado manobras de suporte básico de vida. A equipa apoia igualmente emigrantes e refugiados com mantas térmicas, águas e bolachas, sempre que necessário.

Todos os elementos da equipa possuem formação em Suporte Básico de Vida e Oxigenoterapia e têm a bordo equipamentos de oxigenoterapia e de monitorização dos valores de oxigénio no sangue e dos batimentos cardíacos. São a única equipa a possuir esta capacidade dentro das equipas congéneres que atuam neste momento na Ilha de Lesbos. Esta capacidade já se relevou fundamental para o sucesso da reanimação cardiorrespiratória de um homem que sofreu um ataque cardíaco a bordo da embarcação "TEJO", de duas mulheres e de duas crianças com cerca de 2 e 4 anos.


Dentro da equipa existem elementos que pertencem ao Grupo de Ações Táticas (GAT) da PM. O GAT é uma unidade de reserva estratégica da PM, altamente treinada e disciplinada, especialmente equipada para executar ações policiais não convencionais, reduzindo o risco associado a uma situação de emergência ou ataques coordenados a alvos específicos. Estes elementos são fundamentais no combate ao crime transfronteiriço, nomeadamente na detenção de facilitadores.

A equipa da PM recebeu um louvor público da Guarda-costeira Grega, no dia 16 de outubro de 2015, pelo facto de ter conseguido deter um facilitador já referenciado e considerado perigoso, perseguido pelas autoridades gregas há mais de dois meses.

Um dos membros da equipa, que pertence ao Grupo de Mergulho Forense, foi responsável pela recuperação de quatro pessoas, uma mulher, uma adolescente e dois bebés, já sem vida, do interior de uma embarcação naufragada.

A atividade da equipa da PM passou igualmente pelo apoio à Guarda-costeira norueguesa, que também se encontra integrada na missão, pela escolta ou apoio a mais de duzentas embarcações com emigrantes e refugiados a bordo, garantindo que chegavam em segurança a terra, e por apoio a emigrantes na sua chegada a terra.

No dia 03 de dezembro, a equipa da PM recebeu mais uma embarcação, a embarcação "ARADE", com o objetivo de reforçar as suas capacidades operacionais, garantido a existência de meios em caso de necessidade ou durante o período de manutenção da embarcação "TEJO".

A partir do dia 04 de janeiro de 2016, a equipa de seis elementos vai ser reforçada com mais um agente da PM.

A PM vai manter o seu apoio à Guarda-costeira Grega, com o objetivo de cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço, integrada na missão da agência FRONTEX, até ao dia 30 de setembro de 2016.

NO MAR, MAIS ALÉM, POR BEM.


Veja o vídeo dos 3 meses de missão