MEDIA CENTER

Agente da Polícia Marítima apoia no registo de refugiados na Grécia

12 FEV 2016 12:02

No âmbito a operação “POSEIDON RAPID INTERVENTION 2016”, da Agência Frontex, a Polícia Marítima tem destacada na ilha de Leros, na Grécia, desde o dia 1 de fevereiro, uma agente com o objetivo de integrar uma equipa de registo de refugiados e migrantes, neste caso, no âmbito da recolha dactiloscópica e quiroscópica.

​​A agente encontra-se a prestar serviço próxima do campo da UNHCR, onde se encontram vários refugiados e migrantes. Para além deste campo, existem ainda outras instalações da Agência Frontex, local onde as equipas multidisciplinares realizam o processo completo de registo.

A ilha de Leros encontra-se a sensivelmente 15 milhas náuticas da costa da Turquia, uma distância bastante longa, face às condições em que os botes utilizados navegam. Assim, a maioria dos migrantes opta por iniciar a travessia da costa Turca para as ilhas gregas que distam apenas a cerca de 5 milhas náuticas e onde já sabem que vão ser resgatados, como é o caso da ilha de Lesbos, onde se encontra a equipa da Polícia Marítima desde outubro do ano passado.

Os refugiados/migrantes irregulares chegados a essas ilhas, são previamente identificados pelas autoridades locais e posteriormente transportados a bordo de uma embarcação fretada para o efeito, com destino à ilha de Leros, para se proceder ao seu completo registo.

A grande maioria é de nacionalidade Síria e Iraquiana, incluindo muitas mulheres e crianças. Na primeira semana de fevereiro, apenas em Leros, foram resenhados 480 refugiados e migrantes.​